Você na arena da vida – Liderança, vulnerabilidade e coragem

Autoritário, arbitrário e opressor. No passado, estas eram características bastante relacionadas à liberança. Mas isso mudou – ainda bem, né? E chegou-se à conclusão de que um líder deve ser agregador, vulnerável e imperfeito. E nenhum desses adjetivos é sinal de fraqueza. Muito pelo contrário!

Ser líder não é estar no controle ou no comando, é estar à frente da equipe. Fazem parte deste processo: a aproximação, a conquista da confiança para que todos se revelem – saibam suas qualidades e pontos a serem melhorados – e, juntos, prossigam, cresçam e alcancem os objetivos.

E acredite: o medo faz parte de toda esta caminhada. Afinal, medo é um ato de coragem!

Pode colocar a vergonha de se expor, de ser vulnerável nessa lista também. Brené Brown, autora, pesquisadora, professora e palestrante mundialmente conhecida, diz que quando damos nome a esta vergonha e falamos sobre ela, ela some. “A palavra e a conversa lançam luz sobre a vergonha e a destroem”, escreveu.

Assim, nos tornamos mais corajosos e mais fortes, não só profissionalmente, mas na vida como um todo. É um processo de autoconhecimento – assunto que já falamos por aqui.

A Expertise – Gestão de Pessoas oferece, inclusive, o serviço de Coaching de Liderança, em que são trabalhadas diversas técnicas para desenvolver pontos positivos, transformar vulnerabilidades em força e atingir meios para que os resultados almejados sejam alcançados por essa pessoa que lidera e, consequentemente, por quem é liderado por ela. Ser líder é, atualmente, um processo de construção para que não fiquemos por trás de máscaras e focados em estilos de liderança pré-estabelecidos. Mas, sim, que possamos criar modelos particulares, que dêem espaço para o outro, aceitem opiniões, ouçam, ponderem e evoluam.

Ou seja, criando um lugar seguro para o crescimento coletivo, já que quando se foge das emoções, a aceitação, a criatividade e até o amor não conseguem ocupar os espaços que deveriam. Quem luta contra o erro e o fracasso encontra a frustração e não vivencia várias das experiências que são muito importantes na vida.

A perfeição não existe e é preciso estar ciente, incorporar isso em nosso dia-a-dia. Theodore Roosevelt, presidente dos EUA e autor naturalista, sabiamente escreveu que não há esforço sem erros e decepções e merece reconhecimento quem está por inteiro na “arena da vida”, quem se empenha, se estusiasma e se entrega.

Porque, como ele sabiamente disse, quem é vulnerável e conhece a si mesmo, na melhor das hipóteses, conhece o triunfo da grande conquista. E na pior delas, fracassa ousando grandemente. Você está pronto para a arena da vida, para se conhecer e enfrentar suas vulnerabilidades?

Camila Crema é diretora-executiva da Expertise – Gestão de Pessoas. É psicóloga com ênfase organizacional, coach, apaixonada por desenvolver pessoas e uma eterna aprendiz sobre vulnerabilidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.